22 de março de 2009

UMA “IGREJA” CHAMADA ALPENDRE DE BETESDA



Ora, em Jerusalém há, próximo à Porta das Ovelhas, um tanque, chamado em hebreu Betesda, o qual tem cinco alpendres. Nestes jazia grande multidão de enfermos: cegos, coxos e paralíticos, esperando o movimento das águas. João 5:2,3

Numa bela tarde de sábado, ao abrir minha caixa de e-mails (correspondência eletrônica), deparei-me como um texto intitulado: ”NOMES ESQUISITOS DE IGREJAS”. Após ler cuidadosamente cada nome denominacional, fiquei boquiaberto com a “criatividade” do povo GOSPEL e, principalmente com a superficialidade bíblica de seus “lideres” que, com a presunção de encherem os “templos” e ganharem muito dinheiro, empregam às suas denominações, nomes puramente interesseiros e que servem de escárnio.

Dentre as sumidades dos nomes listados, transcrevo: IGREJA BATISTA INCÊNDIO DE BÊNÇÃOS, IGREJA C.R.B. (Cortina Repleta de Bênçãos), IGREJA PENTECOSTAL VALE DE BÊNÇÃOS, IGREJA DA BÊNÇÃO MUNDIAL, IGREJA E.T.Q.B. (Eu Também Quero a Bênção), IGREJA EVANGÉLICA FONTE DE BÊNÇÃOS e IGREJA EVANGÉLICA PENTECOSTAL DA BÊNÇÃO ININTERRUPTA.

Ao fazer esta distinta seleção, constatei que a palavra BENÇÃO (s) aparecia em todas elas e, subitamente, recordei-me de um antigo corinho que, muito ouvi cantar na infância:

Eu vim buscar uma benção Jesus tem benção pra dar
Você veio buscar sua benção espera Jesus vai lhe dar
Levante tuas mãos para o céu, e sinta um raio de luz
Cante comigo aleluia, o dono da Benção é Jesus.

De acordo com o Dicionário Teológico de Claudionor Corrêa de Andrade, a palavra: culto[1] [Do lat. cultus, veneração] denota sentido de: Tributação voluntária de louvores e honra ao Criador; sendo que, seu objetivo primário é a adoração a Deus, pois, Ele é Espírito, e importa que os que o adoram o adorem em espírito e em verdade. (JO 4:24) e o alvo secundário é o enlevo espiritual do adorador. Definitivamente, culto nunca esteve e nunca estará associado à busca de bênçãos e, convenhamos, o templo é simplesmente um edifício público destinado à reunião da comunidade cristã. Comunidade que, deve se encontrar voluntariamente para louvar, exaltar e falar com Deus, pois, está escrito: A minha casa será chamada casa de oração. (MT 21:13)

Infelizmente, a descaracterização do “culto”, quando não está coligada com o nome da placa ou nos “corinhos consumistas”, coliga-se aos rótulos dos eventos pseudo – eclesiásticos, que variam de: tarde das bênçãos, noite dos milagres, culto da vitória a campanhas dos “varejões das bênçãos”. A verdade é que, o estilo "tudo que peço Deus me dá", ou "eu vim buscar uma benção" é consumista, e revela um relacionamento distorcido com Deus, nosso Pai.

Creio que, COMUNIDADE GOSPEL ALPENDRE DE BETESDA, seria o nome mais apropriado para “muitas” das inúmeras denominações da atualidade, digo isto por conhecimento de causa e, nas próximas linhas, estarei expondo os motivos que me levaram a chegar nesta triste, mas, fundamentada conclusão.

A palavra comunidade [Do lat. communitate.] apesar de ser empregada como sinônimo de Igreja, difere um pouco desta (dentro do sistema lingüístico brasileiro), pois exprime o sentido de: grupo de pessoas que comungam uma mesma crença ou ideal, ou seja, comunidade pode ser empregada tanto para os cristãos, quanto para os ateus (comunidade atéia), budistas, espíritas, etc. Já o termo Igreja (grego εκκλησια ekklesia e latim ecclesia: "Eclésia") é utilizado de maneira mais restrita e aplicada somente a comunidade dos cristãos.

Antes de prosseguir, quero deixar claro que, não sou contra a utilização do termo COMUNIDADE, pois, sou sabedor de que este substantivo deriva-se da palavra COMUM (pertencente a todos ou a muitos) e que, uma das qualidades da igreja primitiva era terem tudo em COMUM (Atos 2:44), entretanto, posso até ser taxado de arcaico, mas, continuo preferindo o termo Igreja que, em linhas gerais expressa o sentido de assembléia os santos.

Infelizmente, até o dia de hoje, não encontrei satisfatoriamente, a origem e a definição da palavra GOSPEL, se bem que, são inúmeras as pessoas que sabem que o termo está associado ao povo “evangélico”. Hoje em dia, quem nunca ouviu falar de – música GOSPEL, artista GOSPEL, cantor e cantora GOSPEL, literatura GOSPEL e por ai vai? Como se percebe, a onda GOSPEL invadiu o vocabulário da já volumosa e complicada língua portuguesa. Gostem ou não, queiram ou não, esta palavra não deveria ser utilizada pelo povo de Deus, pois, estes sempre foram conhecidos por – CRISTÃOS (aquele que professa o cristianismo), CRENTES (que leva demasiado a sério as suas obrigações, as coisas em que se mete, e por elas tem entusiasmo, nelas acredita), EVANGÉLICOS (proclamadores do Evangelho) e PROTESTANTES (que protesta e não se conforma com este mundo – RM 12:2). Odiaria ser taxado de GOSPEL, mas tenho orgulho de ser chamado de PROTESTANTE, por mais que o termo soe forte.

ALPENDRE DE BETESDA era um alpendre pórtico, colunata coberta onde o povo (enfermos: cegos, coxos e paralíticos - João 5:3) podia permanecer ou caminhar protegido do tempo e calor do sol.

Os alpendres de Betesda possuíam pelo menos três características que nunca deveriam ser encontradas nas “denominações evangélicas”, mas, infelizmente, tais características estão cada vez mais presentes nas comunidades gospeis.

Primeiro – Os alpendres de Betesda eram lugares de disputas: “... e o primeiro que ali descia, depois do movimento da água, sarava de qualquer enfermidade que tivesse (João 5:4)”. Observe que o termo é bastante claro e sugestivo, o PRIMEIRO, portanto, certamente havia disputas internas e externas (com os demais alpendres) para ver quem seria o primeiro a pular.

O termo: PRIMEIRO (protos), possui pelo menos quatro classificações na gramática portuguesa, são elas: numeral, adjetivo, substantivo masculino e advérbio, sendo que, o dicionário Aurélio do Século XXI, emprega varias definições para este termo, dentre as quais, cito: que antecede outros quanto ao tempo, lugar, série ou classe; primário (ADJ); aquele que ganhou em corrida ou competição. (S. M), portanto, ao se associar às definições do dicionário com as descrições bíblicas: “... e o primeiro que ali descia”, torna-se reforçada a tese de que, naqueles alpendres havia disputas.



Após refletir sobre tal coisa, presenciar alguns fatos nas “comunidades” que já freqüentei e assistir a um DVD, onde os organizadores do evento estamparam em um grande banner as fotos dos pregadores e colocaram com letras bem grandes os disseres: “OS MELHORES PREGADORES NACIONAIS E INTERNACIONAIS[2]”, pus-me a pensar o quanto às denominações estão se assemelhando aos ALPENDRES DE BETESDA. Hoje, já existem congressos onde somente pregam “os melhores” e exclusivamente cantam os “maiores” – os mais famosos. Em tais congressos, a disputa é acirrada: a melhor didática, a melhor exposição, o melhor terno (já tem até vermelho), o melhor tema, o melhor “hino”, a maior oferta, o melhor lugar e até mesmo a maior prebenda. Existem variadas competições internas e externas.

Há até “comunidades” que ficam de olho nas agendas das outras, simplesmente para marcarem um evento na mesma data, com isto, pretendem disputar a “audiência” e coibirem seus membros de fazerem intercâmbios. E por falar em rivalidades, já presenciei dentro das próprias comunidades disputas internas entre: conjuntos, grupos musicais, coreógrafos e ministros. Existem pastores que se julgam tão grandes, que medem a dimensão de seus ministérios com os números relativos a membresia e a rentabilidade proporcionada por ela; tais homens estufam o peito para dizer: quando eu assumi esta igreja a renda era X agora a renda é Y!

Ao presenciar tais aberrações, penso que, seria por demais agradável se dentro das “comunidades”, as disputas só girassem em torno de: quem orasse mais, quem jejuasse mais, quem ajudasse mais os necessitados; entretanto, afirmo que nunca vi isto antes e, creio que, infelizmente, nunca irei ver.

O desejo por competir, contrasta em muito com os ensinamentos e desejos de Cristo, que intercedeu por seus discípulos e por nós, dizendo: E não rogo somente por estes, mas também por aqueles que pela sua palavra hão de crer em mim; para que todos sejam um, como tu, ó Pai, o és em mim, e eu em ti; que também eles sejam um em nós, para que o mundo creia que tu me enviaste. (JO 17:20, 21).

Observe que, na oração de Cristo, Ele suplica ao Pai para que sejamos um (unidade), mas, infelizmente, a primeira má característica dos alpendres de Betesda, pode ser notada até mesmo entre aqueles que Ele escolheu: E houve também entre eles contenda sobre qual deles parecia ser o maior. (LC 22:24) E não parou por ai, o sentimento de competição encontrou “pouso” até mesmo na a igreja primitiva e, o apostolo Paulo, ao iniciar sua primeira carta aos coríntios, mencionou as dissensões que havia no meio dela:

Rogo-vos, porém, irmãos, pelo nome de nosso Senhor Jesus Cristo, que digais todos uma mesma coisa e que não haja entre vós dissensões; antes, sejais unidos, em um mesmo sentido e em um mesmo parecer. Porque a respeito de vós, irmãos meus, me foi comunicado pelos da família de Cloe que há contendas entre vós. Quero dizer, com isso, que cada um de vós diz: Eu sou de Paulo, e eu, de Apolo, e eu, de Cefas, e eu, de Cristo. (1CO 1:10-12)

É impressionante o fato de que, em tão pouco tempo, surgiu no seio da igreja de Corinto, quatro “partidos políticos” (PP (Partido de Paulo), PA (Partido de Apolo), PC (Partido de Cefas) e PJC (Partido de Jesus Cristo)). Mas, graças a Deus, no coração de Paulo havia o mesmo sentimento que houve em Cristo (FL 2:5) e, sendo assim, ele rogou aos irmãos de Corinto, para haver entre eles o mesmo sentido e mesmo parecer e, finalizou a questão dizendo: Aquele que se gloria, glorie-se no Senhor. (1CO 10:31)

É notória a discrepância entre UNIDADE e COMPETITIVIDADE, pois, a unidade gera crescimento (AT 2:44), as disputas causam divisões (1CO 1:10-12). A unidade gera companheirismo (1SM 14:7), as competições concebem inimizades (1SM 18:7-9). A unidade gera mutualismo (LC 5:18), as disputas produzem egocentrismo (LC 10:31). A unidade gera amor (JO 17:23), as rivalidades criam indiferenças (JO 4:9). A unidade gera cura (LC 5:20), as brigas rendem enfermidades (PV 27:3).

No seio da cristandade não pode haver disputas, pois o nosso Mestre disse: “... e, qualquer que entre vós quiser ser o primeiro, seja vosso servo”; (MT 20:27) e, no mais, PRIMEIRO é somente Ele: “Eu sou o Alfa e o Ômega, o princípio e o fim, diz o Senhor, que é, e que era, e que há de vir, o Todo-Poderoso” (AP 1:8) e, é Ele, o único que também pode dizer que é MAIOR: “... e eis que está aqui quem é MAIOR do que Salomão” (MT 12:42); “... e eis aqui está quem é MAIOR do que Jonas”. (LC 11:32) e, “Pois eu vos digo que está aqui quem é MAIOR do que o templo” (MT 12:6)

As disputas precisam ser urgentemente erradicadas do meio “evangélico”. Devemos aprender com aquele que mesmo sendo considerado MAIOR nascido de mulher, sabia que, aquele que é o menor no reino dos céus é maior do que ele. (MT 11:11) e como prova disso falou: É necessário que ele cresça e que eu diminua. (JO 3:30)

Segundo – Os alpendres de Betesda eram lugares de egocentrismo: “... O enfermo respondeu-lhe: Senhor, não tenho homem algum que, quando a água é agitada, me coloque no tanque” (JO 5: 7). Ao responder a indagação feita por Cristo (Queres ficar são?), o paralítico, deixou transparecer que naquele lugar não havia cordialidade: “... não tenho homem algum que...”. Como diz o adágio popular, ali era: “cada um por si e, Deus por todos”.

É bastante relevante o fato de ninguém ter ajudado o paralitico em trinta e oito anos, ou seja, ninguém ficou comovido com aquela situação. Este pormenor gera dentro de mim duas perguntas: Onde estavam os familiares, amigos, colegas e religiosos? Como pode alguém sofrer tantos anos e não ser ajudado?

Infelizmente, só existe uma resposta: - aquele recinto estava repleto de pessoaas egocêntricas (diz-se daquele que refere tudo ao próprio eu, tomado como centro de todo o interesse; personalista) e, ao chegar nesta conclusão, lembro-me novamente do: “eu vim buscar uma benção!” E, mais uma vez tenho que exclamar: - Como as “comunidades gospeis” estão cada dia mais parecidas com os alpendres de Betesda!

É totalmente deplorável e antibíblico o individualismo e a insensibilidade humana; aliás, no dicionário de Cristo, não existe espaço para o egoísmo humano, pois todo o seu vocabulário consiste em: ajudar, interceder, doar, auxiliar, conceder, repartir, dividir e socorrer. Na autentica comunidade cristã não há espaços para pessoas que não estendem as mãos para os necessitados; veja o relato de Lucas: Não havia, pois, entre eles necessitado algum; porque todos os que possuíam herdades ou casas, vendendo-as, traziam o preço do que fora vendido, e o depositavam aos pés dos apóstolos. (AT 4:34)

É chegado o momento de deixarmos de lado o EU e, para isto, devemos seguir o conselho dado por Cristo ao jovem rico: “... vai, vende tudo o que tens e dá-o aos pobres, e terás um tesouro no céu; e vem, e segue-me” (MT 19:21). É hora de: - repartirmos as nossas túnicas e os nossos alimentos (LC 3:11); de pegarmos os enfermos e levá-los até Cristo e, se a “casa” estiver cheia, carregá-los até o telhado e depois descê-los até a Sua presença (LC 5:17-26). É tempo de dar água ao sedento, comida ao faminto, vestes aos nus e realizarmos visitas aos encarcerados. Precisamos imitar Abraão, que deixou de lado os seus desejos e suas vontades para interceder pelo seu próximo (GN 18:23-33) e seguir o exemplo do bom samaritano que, se compadeceu do necessitado e o ajudou. É hora de olharmos para os nossos irmãos e meditarmos na inquirição de João: “... Quem, pois, tiver bens no mundo, e, vendo o seu irmão necessitado, lhe cerrar as suas entranhas, como estará nele o amor de Deus?” (1JO 3:17)

Terceiro - Os alpendres de Betesda eram lugares de interesseiros: “... Nestes jazia grande multidão de enfermos: cegos, coxos e paralíticos, esperando o movimento das águas”. (João 5:3) Gostaria que você atentasse para o fato de que, cada um estava ali apenas esperando o movimento das águas, e excepcionalmente, muitos que se rotulam “cristãos” estão se reunindo nos alpendres, ou melhor, nas “comunidades” exclusivamente para buscarem suas bênçãos e satisfazerem os seus deleites.

Novamente quero levantar uma discussão: - Como Deus vai operar num lugar onde o povo só está ali para receber a “vitória, a benção?”; o pastor só está ali para administrar e retirar dali o sustento? O pregador só está ali para exibir seus conhecimentos e receber a prebenda no final da mensagem? O cantor só está ali para ganhar o cachê e vender os seus cd’s e o artista só está ali para não sair de cena e não perder a fama?

Quando nos reunirmos, o nosso culto tem que ser racional (RM 12:1) e, o nosso único interesse deve ser – adorá-lo e reverenciá-lo, por isso, devemos substituir o “cântico”: eu vim buscar uma benção, por: te louvarei não importa as circunstancias, adorarei somente a ti Jesus; é necessário arrancar de nosso vocabulário a frase: determine sua vitória e, dizer como o apostolo Paulo: “Porque dele e por ele, e para ele, são todas as coisas; glória, pois, a ele eternamente. Amém”. (RM 11:36) E mesmo que as coisas “parecem” caminhar para o pior, temos que plagiar o profeta Habacuque: “... ainda que a figueira não floresça, nem haja fruto na vide; o produto da oliveira minta, e os campos não produzam mantimento; as ovelhas da malhada sejam arrebatadas, e nos currais não haja vacas, todavia, eu me alegrarei no SENHOR, exultarei no Deus da minha salvação”. (HC 3:17,18) É preciso ter a convicção de Jó e dizer: “... Porque eu sei que o meu Redentor vive, e que por fim se levantará sobre a terra”. (JÓ 19:25)

Que a graça de Deus sempre superabunde em nós!!!

Pr. Sylas de Souza Neves

--------------------------------------------------------------------------------

[1] Strongs à 2999 latreia - 1) serviço retribuído por saláriio 1a) qualquer serviço ou ministério: o serviço a Deus 2) serviço e adoração a Deus de acordo com os requerimentos da lei levítica 3) realizar serviços sagrados

[2] Foto extraída do DVD intitulado: Sua vida pode ser formidável do Dr. Silmar Coelho.

2 comentários:

Vicente de Paulo disse...

Paz do Senhor, Pr. Sylas sinto-me realmente privilegiado pelo Sr. ter linkado o meu Blog. Quero parabenizá-lo pelo excelente Blog e também pro esta postagem. Estarei sempre passando por aqui com o propósito de crescer um pouco mais no conhecimento da Palavra do nosso Deus. Inlcua-me nas suas orações.

cdasilvasaraiva disse...

Olá pastor, procucarava um hino, o que usa na sua explanação. Pois bem; concordo inteiramente com o senhor embora desviado a anos as vezes ligo a tv e estão la chamados para "cultos para vida amorosa, vida financeira e etc...", mas não vejo reuniões para louvar e clamar JESUS CRISTO!!! Pois nesse mundo calamitoso somente ELE pode nos sustentar. Parece que as pessoas sso querem usurpar e se esquecem porque ELE morreu na cruz!? Para nos salvar e proporcionar atravez do nosso arrependimento a salvação e vida eterna, não para trazer dinheiro ou namorada(o)... ELE nos dara tambem estas coisas, pois um justo não mendigara o pão e fez o DEUS a mulher para companheira do homem pois não era bom que ficasse só... Mais ir a casa de DEUS é para LOUVA-LO para demostrar-mos nosso amor, nossa fé, nossa devoção.. DEUS esteja convosco abraço cleber da silva saraiva