28 de dezembro de 2011

Retrospectiva 2011

2011 foi um ano marcante e sem sombras de duvidas, ao meu ver, deixará saudades! Sei que para muitos, principalmente para aqueles que perderam entes queridos, casas, saúde, dinheiro, etc; é um ano para ser esquecido, todavia, para mim, foi um ano marcante e gratificante.

Muito teria a dizer e a escrever sobre este ano, entretanto, quero apenas registrar através de fotografias e pequenos comentários, os eventos ou momentos que mais marcaram a minha vida neste ano. Saliento, porém, que farei isto de maneira retroativa, ou seja, de dezembro passando por novembro até chegar em janeiro.



Dezembro 2011 - Ministração no centenário das Assembléias de Deus no vale do Jatobá


Em menção aos 100 anos das Assembléias de Deus no Brasil, ressaltei a importância majoritária da presença de Deus na vida não somente desta igreja, bem como na vida de todos os seres humanos.





Celebração do noivado de Gerson e Ana Lima em Cachoeira do Campo - MG

Tive o imenso prazer de ser o ministro do noivado deste casal abençoado.






Comemoração do meu 30° aniversário

No dia 10 de dezembro reuni familiares e alguns amigos para festejar o meu 30° ano de vida.





Ministração na Igreja Batista do Calvário em Ipanema - MG

Foi muito bem voltar a Ipanema mais de uma década depois!



Palestra para casais em Simonésia - MG

Uma das grandes conquistas pessoais foi a amizade do Pr. Hélio da Igreja Batista Nacional em Simonésia.





Tive também o prazer de conhecer, rapidamente, e ministrar a Palavra em São João do Manhuaçu / MG; entretanto, devido a uma triste garfe (tranquei a chave dentro do carro no inicio do culto) não tirei foto da parte interna do lindo templo da Igreja Batista Nacional liderada pelo nobre pastor Edilson.

Novembro

Palestrei na Escola de Líderes e vocacionados em Rio Acima / MG


Clique aqui e veja um comentário que fiz sobre este evento



Ministração no aniversário da Casa da Benção em Lavras - MG





Outubro

Ministração na Assembleia de Deus em Ferros - MG




Participação no congresso da Chamada da Meia Noite em Águas de Lindóia - SP



11 de dezembro de 2011

Quem sou eu? Tributo aos meus 30 anos



Hoje, 11 de dezembro de 2011 é uma data importantíssima na vida! É o dia em que completo 30 anos de idade, 30 anos experimentando o sobrenatural de Deus.

Inevitavelmente, ao olhar minha face no espelho, vejo marcas surgirem e cabelos brancos emergirem como “joios em meio aos trigos”. Sei que estas marcas me acompanharão pelo resto dos meus dias e, que os cabelos brancos de agora para frente não hesitarão em ofuscarem os meus cabelos pretos!

Hoje, tenho que novamente dar a “mão a palmatória” e conforma-me com o veredicto de Cristo: “... não podes tornar um cabelo branco ou preto (Mateus 5:36)”. Realmente, o envelhecimento é inevitável!

Trinta anos de vida! Para quem foi desenganado pelos médicos, no momento do parto, é um número bem expressivo! Portanto, tenho muito a falar, entretanto, em alusão às minhas primeiras três décadas de existência, quero apenas tentar responder: Quem sou eu?

Quem sou eu?...

Eis uma das perguntas mais simples e mais inquietante para nós, meros seres mortais!

Particularmente, lembro-me do receio que sempre tive, no que tange a esta indagação, durante as inúmeras dinâmicas que participei à procura de um emprego; para falar a verdade, minhas mãos ficavam tremulas, o suor escorria pela minha face, o coração palpitava mais forte e a minha voz ganhava um teimoso ar de rouquidão quando se aproximava a minha vez de responder: Quem era eu?

Ainda hoje, prestes a completar três décadas de vida, não encontrei uma resposta definitiva para tal pergunta, e creio, sem variações de dúvidas, que ao fechar os meus olhos para esta vida, ainda não terei alcançado a resposta absoluta, e peremptoriamente verdadeira.

Por hora, cito a sábia colocação de um pregador que ao falar de sua existência, esbravejou: nasci condenado a viver uma só vez assim, darei a cada instante o valor de uma eternidade.

Enfim, tentando não me esquivar desta sindicância, e sabendo da superficialidade da minha resposta, hoje respondo:

Sou um brasileiro que não se orgulha mais em cantar o hino nacional; um protestante, que ojeriza o rotulo de gospel, por achar que essa qualificação é simplista e remonta a um “cristianismo” light e diet.

Sou um cristão, indignado com a postura e o caráter de grande parte dos “evangélicos”; sou um ministro que não abre mão de protestar contra as manobras existentes nos gabinetes pastorais.

Sou um eleitor que não acredita mais em promessas políticas, e desdenho aqueles que possuindo o titulo de pastor, de maneira gananciosa, se embarcam na carreira política.

Sou um cidadão, que infelizmente desacreditou na credibilidade dos três poderes. Sou um civil que fica temeroso ao avistar uma viatura policial, não por estar em dívida com alguém ou com as leis vigentes, mas, por saber que aqueles que deveriam nos proteger, podem nos prejudicar, fazendo uso de um autoritarismo incontrolável.


Sou um escritor, que tento eternizar minhas idéias, pensamentos e inquietações, encontrando no ato de escrever, uma graciosa maneira de desabafar, soltar o grito e protestar.

Ainda como escritor, sou alguém que não acredito mais na idoneidade das grandes editoras, pois, sei que elas não estão em busca de novos talentos, e muito menos à procura de obras que venham contribuir para o crescimento intelectual e teológico. Tristemente, as editoras só visam o mercado e o lucro exacerbado, entrementes, além de julgarem o livro pela capa, enfatizam principalmente a popularidade e a fama do escritor.

Como mortal, sou alguém que nasci sem direito a escolhas, não pude escolher os meus pais, o dia do meu nascimento, a minha terra natal, o médico responsável pelo parto, o meu nome e sobrenome, etc. Mas, louvo a Deus, pois, Ele me presenteou com tudo isto, e mesmo sem merecer, hoje tenho um orgulho “santo” em proclamar:

Sou Sylas de Souza Neves, alguém que ao contrario de muitos, se orgulha muito pelo seu nome, principalmente, pois sou sabedor que este nome significa: “o escolhido de Deus”.

Graças a Deus, sou filho de Josias e Maria, um casal que além de me orgulhar, incessantemente me faz agradecer ao Todo Poderoso por ter sido gerado por eles.

Sou casado com a Diana, uma jovem bela, companheira, leal e dedicada, alguém que me dá orgulho em ser rotulado de seu marido.

Sou pai de Yuri Abner, verdadeira herança do Senhor, inteligente, meigo, carinhoso e cheio de energias.

Sou alguém que mesmo tendo limitações não me deixo ficar aprisionado a elas e, sei que posso ir além do que já fui e fazer mais do que já fiz.

Sou um jovem pregador, alguém que procura agradar primeiramente a Deus, tendo sempre temor e sabendo que de nada adianta ganhar o mundo e perder a sua alma.

Sou o que sou, mas, não descarto a hipótese de algum dia mudar o que penso ser!

Sylas de Souza Neves - 11/12/2011

5 de dezembro de 2011

Quem tem ouvidos ouça! O que Macedo diz às igrejas!



No segundo domingo de novembro de 2011, os evangélicos e principalmente os “pentecostais”, foram ou sentiram-se “bombardeados” com uma “grande reportagem” exibida pelo canal de televisão do Sr. Edir Macedo.

Como já era de se esperar, os contra-ataques já começaram, e os ditos “grandes” e rotulados “porta-vozes” do movimento pentecostal brasileiro já arregaçaram as mangas contra-atacando o “bispo” e líder da IURD, portanto, mais uma vez uma das leis de Newton foi comprovada: para cada ação, existe uma reação!

Creio, que os ataques e contra-ataques apenas estão no começo, e que muito ainda estar por vir, a “caixa de maribondos” foi ferozmente atacada, o calcanhar “pentecostal” foi ferido, uma nova “guerra santa” começou e mais um dos sinais apocalípticos se evidenciou!

Como amante da Palavra, estudante incansável da teologia e apaixonado pela história da Igreja, principalmente do período patrístico; tenho um sonho que, infelizmente, sinto ser cada vez mais utópico! Sonho em presenciar um “Concilio Evangélico Brasileiro” onde os “grandes” líderes denominacionais, de maneira pacifica e, à luz das Sagradas Escrituras, debatam temas extremamente relevantes a fé cristã.

Entretanto, como jugo ser utópico! Tentarei, nas próximas linhas, descrever e relatar aos meus leitores o que penso sobre o assunto; ressaltando, porém, que a minha finalidade é demonstrar o que podemos extrair de positivo de tudo isso.

Primeiramente, gostaria de ratificar, publicamente, que este blog continua e, permitindo Deus, continuará tendo um caráter apologético. Portanto, como apologista, estou sujeito a críticas e objeções, no entanto, não tenho o menor interesse e nem a presunção de querer agradar a todos e coadunar com a maioria.

Lembro-me que recentemente um pastor, ironicamente, inquiriu-me se já havia colocado a “cabeça” no lugar? Para ele, a melhor opção, para um pregador itinerante como eu, era não tomar partido e me camuflar em todas as ocasiões!

A exemplo de Paulo e Martinho Lutero, digo para este e para quem quer que seja, continuarei defendendo o Evangelho e expondo as minhas idéias, procurando sempre nexo com as Santas Escrituras.

Quanto à reportagem exibida pelo canal de Edir Macedo, deixando de lados os reais interesses e os agentes motivacionais que o levaram a fazer tal coisa, creio que nós, “pentecostais” podemos extrair algo de muito útil em tudo isto.

Não quero entrar no mérito se a reportagem, entenda-se denúncia, foi exibida de maneira correta ou não, todavia, creio que a mesma veio em boa hora, pois, a cada dia que passa as histerias e os modismos “evangélicos” estão se alastrando pelo mundo afora.

Por mais de uma década, tenho pregado a Palavra de Deus e testemunhado as suas maravilhas por inúmeras denominações brasileiras. Neste período, tive por lema não recusar nenhum convite, independente da placa, do tamanho ou do rótulo (tradicional, pentecostal, etc), entretanto, por inúmeras vezes, ao findar de uma reunião, senti-me comovido em mim mesmo, como Paulo em Atenas, ao ver as denominações entregues a modismos e supertições de todos os tipos.

Já ministrei em “cultos” onde a “unção do riso”, chamada por eles de “batismo da alegria” foi mais destacada do que a exposição da Palavra. Preguei em cultos onde a “unção do cachorrinho” se fez presente; sinceramente, foi deplorável ver as diaconisas engatinharem como cão e uivarem como lobos.

Participei de uma campanha onde a “unção da escova de dente” foi implantada e sob a ordem da liderança, os “supersticiosos” deveriam levar a escova para aqueles que falam palavrões e proferem maldições. Não posso me esquecer da “unção do palito de picolé” onde fomos orientados a quebrar o palito, depois de determinarmos, por meio de “orações” que Deus transferisse para o mesmo todas as nossas doenças e maldições hereditárias.

Em uma cidade do interior de Minas e também em duas denominações na capital, presenciei a “unção da bacia” que após a oração “transformou-se” no tanque de Betesda, onde os “fiéis” enfileirados, alguns portando a “unção do celular” e outros a “unção do helicóptero”, preparam-se para tocar na água e receberem a benção.

Infelizmente o “cair no Espírito”, os modismos e as invencionices “pentecostais e neopentecostais” são inúmeras e impossíveis de se relatar todas, mas, o pior de tudo é ouvir que todas essas coisas são oriundas do Espírito Santo.

Francamente, creio que os lideres denominacionais deveriam ler e meditar mais na primeira carta de Paulo aos Coríntios, principalmente, quando ele fala da ordem no culto. Estaria Paulo equivocado? Será que Paulo queria inibir a ação do Espírito no seio da Igreja? Será que essa ordem no culto restringiu-se apenas para a igreja em Coríntios?

Não acredito que todo “cair” seja errado, contudo, há muita meninice em nosso meio! Há muitos charlatões usando técnicas de hipnose para ludibriar e derrubar o povo! Há muitas “campanhas” onde o intuito é apenas impressionar e arrancar dinheiro! Há muita coisa errada sendo atribuída ao Espírito Santo de Deus!

É necessário voltarmos às Escrituras! Precisamos ponderar e pensar na hipótese de Deus está usando o Macedo para trazer uma alerta a Igreja Evangélica Brasileira. Sem dúvidas, precisamos de cultos mais racionais e não de encontros sensacionalistas. Particularmente, gosto muito e não pretendo sair do pentecostalismo, mas, reprovo veementemente o sensacionalismo e os modismos no “seio da igreja”.

Estou ciente que muitos “líderes” ao lerem este artigo, poderão me fechar as suas “portas denominacionais”, no entanto, a exemplo de Paulo reitero que importa mais agradar a Deus do que aos homens!

Que a graça de Deus superabunde em nossas vidas!